Estresse e obesidade

Tudo aquilo que os médicos observamos na nossa atividade diária vem sendo comprovado pela ciência. Você tem dúvidas que dificuldades financeiras, familiares, afetivas trazem aumento de peso? Quem nunca percebeu que situações conflitivas mal resolvidas, depressão e limitações na atividade diária fazem as pessoas buscarem alívio na comida? O chocolate que o diga! O estresse estimula a fabricação do cortisol, que aumenta o desejo de comer, porém diferem os agentes que estressam homens e mulheres. Elas se estressam mais com problemas familiares, limitações financeiras e relacionadas ao trabalho, eles costumam não se estressar com problemas familiares, mas sim com problemas de trabalho e quando enfrentam novos desafios.
Desta forma, o que fica claro é que as pessoas, quando ficam estressadas, modificam seus hábitos alimentares, em geral, para o exagero. Tudo isto varia com o gênero, os tipos de alimentos, os hábitos inadequados e o espaço mental para suportar as tensões. De qualquer maneira fica evidente pelas pesquisas que para perder peso não adianta só mudar a dieta, mas sim diminuir ou até eliminar os fatores desencadeadores do estresse. Assim, o ideal é reunir o exercício físico, a dieta e o tratamento psicoterápico para aliviar a ansiedade ou a depressão, buscando sempre uma orientação especializada. Prevenção é para toda a vida.

Deixe uma resposta