Alimentos funcionais: a nova onda da nutrição.

As pesquisas já demonstraram que os alimentos funcionais auxiliam o trabalho dos nosso órgãos. Os benefícios são vários, pois este tipo de nutrição consegue diminuir o colesterol, reduzir a pressão arterial, melhora o funcionamento intestinal, apresentam ainda efeitos anti-inflamatórios e anti-bacterianos. As fibras como cereais, grãos com casca, frutas, hortaliças e legumes melhoram o funcionamento intestinal. A soja e derivados (isoflavonas) reduz o colesterol do sangue e auxilia no tratamento dos sintomas da menopausa.
Os iogurtes e os leites fermentados são chamados pré-bióticos estimulando o crescimento de bactérias benéficas ao intestino. Os já conhecidos peixes de águas profundas (salmão, truta, anchova) são ricos em ácido graxo, ômega 3 que aumentam o bom colesterol (HDL). Os alimentos ricos em betacaroteno (potente anti-oxidante) são a cenoura, beterraba, manga, couve e espinafre.
A presença do licopeno nos alimentos vermelhos como: tomate, goiaba e melancia mostra a presença do licopeno potente anti-oxidante e protetor do câncer de próstata. As margarinas e óleos vegetais possuem os fitoesteróis que inibem a fabricação do colesterol ruim (LDL).
A busca dos alimentos nutritivos e funcionais é a nova ordem da nutrição, pois substitui os alimentos muito calóricos e pouco nutritivos. O desafio é fazer dos alimentos funcionais fonte de prazer e melhor qualidade de vida.

>> voltar

– Como funcionam os hormônios do “stress”= cortisol e adrenalina

.

A liberação dos hormônios do “stress” nas situações de emergência já são conhecidas, mas os efeitos crônicos destes hormônios não são totalmente definidos. O cortisol é conhecido como um hormônio ligado à depressão, obesidade e outras alterações orgânicas quando estimulado exageradamente e cronicamente. De outro lado ele também nos auxilia para lidar com a situações do dia a dia tendo uma flutuação fisiológica adequada às nossas necessidades. O exemplo é que pessoas que apresentam sentimento de raiva durante o dia tem mais “stress” na hora de dormir. Os níveis exagerados de cortisol à noite podem sugerir um dia seguinte difícil. A liberação normal do cortisol segue a seguinte rotina: no momento que acordamos ele aumenta permanecendo alto algum tempo e após vai diminuindo até o final do dia. A pesquisa mostra que indivíduos com baixo nível de cortisol pela manhã podem apresentar cansaço e fadiga à tarde explicados pela queda do hormônio.
Os hormônios do “stress” são secretados pelas glândulas supra-renais (em cima dos rins) e servem para modular as nossas reações as demandas do meio externo e interno. Assim, quanto mais estimulados mais doenças no futuro

Esta história de morte súbita não existe, leva anos para acontecer!

Esta frase escrita num dos mais importantes hospitais de New York reflete o que é a morte súbita cardíaca. O conceito define a doença como morte natural por causa cardíaca antes de uma hora do início dos sintomas. Existe perda da consciência, com ou sem doença prévia, com tempo e modo inesperados.
Observa-se que 930/0 das mortes são causadas por arritmias cardíacas, taquicardias com alta freqüência do coração, chamadas tecnicamente de Fibrilação Ventricular. O importante para nós é que as pessoas que morrem, em geral, são as que têm problemas escondidos, isto é, não sabem que tem doença do coração. Os problemas genéticos do coração podem se transmitir de gerações, e modificar a formação do estímulo elétrico do coração. Este órgão é constituído de uma parte muscular (miocárdio), por um sistema de encanamentos (artérias e veias coronárias) e um sistema elétrico. A morte súbita pode ser só por um problema elétrico ou existir uma doença de base muscular (miocardiopatia) ou das coronárias (isquemia- falta de sangue). A avaliação deve ser feita precocemente se você tiver história de morte súbita na família, se alguém morreu do coração de infarto e quais as causas mais importantes. Os exames podem avaliar o seu risco de doença nos próximos dez anos, realizando teste ergométrico, ecocardiograma, holter, laboratório e até investigação genética. A prevenção pode evitar situações dramátiqas e inesperadas, por vezes fatais. Procure se cardiologista para evitar os problemas do coração, e assim a morte súbita cardíaca.